Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

Uma pesquisa conduzida pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, revela que mulheres que sofrem da síndrome do ovário policístico (SOP) têm um risco maior de contrair a Covid-19 em relação àquelas que não apresentam esse distúrbio no sistema reprodutor

A SOP  é comum entre as mulheres e envolve fatores genéticos envolvidos, metabólicos pré e pós natais, distúrbios endócrinos hereditários, resistência à insulina e  comportamentais, como a alimentação e a prática de atividade física. Dentre os principais sintomas da sindrome estão ciclo menstrual irregular e níveis elevados de hormônios que podem causar, por exemplo, excesso de pelo no rosto e no corpo. 

Outro possível efeito da síndrome é a maior tendência a desenvolver doenças como diabetes tipo 2 e hipertensão, que estão dentre os fatores de risco para um Covid-19. Foi por isso, aliás, que os cientistas da Universidade de Birmingham resolveram investigar se existe relação entre um SOP e a infecção pelo novo coronavírus.

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a SOP acomete entre 5% e 21% das mulheres em período reprodutivo. Não existe uma cura definitiva para a síndrome, porém, seguindo um tratamento adequado, com medicamentos, estilo de vida mais saudável e até cirurgias, é possível obter avanços significativos.

Estudo – Entre janeiro e julho de 2020, foram mais de 100 mil registros clínicos de pacientes no Reino Unido. Cerca de 21 mil mulheres apresentavam a síndrome do ovário policístico e pouco mais de 78 mil mulheres compuseram o grupo controle, sem a SOP.

A pesquisa aponta que a incidência da Covid-19 em mulheres com SOP foi quase duas vezes maior do que em mulheres sem o problema. O primeiro grupo apresentação 18,1 casos a cada mil mulheres, enquanto no segundo foram 11,9 casos de infecção nesse contingente.

Os resultados indicam que mulheres com a síndrome têm risco 51% maior de contrair a Covid-19 do que aquele SOP da mesma faixa etária. Mesmo após o ajuste de fatores de risco ligado à doença causada pelo coronavírus como obesidade, diabetes e hipertensão, a suscetibilidade à infecção pelo coronavírus continuado maior entre as mulheres com ovários policísticos.

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio

Anúncio

INSTITUCIONAL

O Front Saúde

Bem-vindo à Revista Digital Front Saúde! Aqui você encontra as melhores notícias na área da saúde.

E se você soubesse de algo que pudesse salvar a vida de alguém que você ama?