Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

O Dia Mundial da Hipertensão Arterial ocorre nesta terça-feira, 17 de maio. A data tem o intuito de conscientizar a população para a importância da prevenção e tratamento da doença que, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), atinge mais de 30% dos brasileiros.

Já o levantamento da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP) mostra que entre 30% e 50% dos hipertensos desconhecem o diagnóstico. Dos pacientes que sabem, boa parte não toma remédio regularmente ou sequer faz uso de medicação. E apenas 20% estão com a doença controlada.

“A hipertensão arterial é uma doença silenciosa, ela não costuma trazer sintomas e logo acaba sendo negligenciada pelo paciente porém é importante saber que a não adesão ao tratamento ou a falha do tratamento pode ocasionar derrames cerebrais, doenças do coração, como infarto, insuficiência cardíaca (aumento do coração) e angina (dor no peito), insuficiência renal ou paralisação dos rins e alterações na visão que podem levar à cegueira. Então são consequências graves e importantes nos mostrando que não devemos negligenciar o tratamento”, explica a cardiologista, Alinne Guimarães.

A especialista explica como é feito o diagnóstico da doença. 

“O diagnóstico da hipertensão arterial é clínico, não precisamos de exames complementares para o diagnóstico de hipertensão arterial a não ser em casos específicos como hipertensão fator jaleco branco e hipertensão mascarada, que nesses casos podemos solicitar um mapa de 24 hrs, fora isso o diagnóstico é feito verificando a pressão arterial durante o exame físico”, observa a médica. 

Fatores de risco

Fumo, consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, estresse, grande consumo de sal, níveis altos de colesterol, falta de atividade física são fatores que influenciam no desenvolvimento da hipertensão.

“Os fatores de risco para hipertensão costumamos dividir em modificáveis e não modificáveis, entre os não modificáveis temos a idade e a história familiar , sendo a idade maior de 50 anos a incidência mais frequente e na história familiar parentes de primeiro grau pai, mãe e irmãos. Dentre os fatores modificáveis temos a ingesta excessiva de sal, excesso de peso e obesidade, ingestão de álcool, estresse, tabagismo e sono não reparador”, explica a cardiologista Alinne Guimarães. 

Saiba como prevenir a hipertensão:

– Manter o peso adequado, se necessário, mudando hábitos alimentares

– Não abusar do sal, utilizando outros temperos que ressaltam o sabor dos alimentos

– Praticar atividade física regular

– Aproveitar momentos de lazer

– Abandonar o fumo

– Moderar o consumo de álcool

– Evitar alimentos gordurosos

– Controlar o diabetes

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio