Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

A amamentação é uma experiência única para cada mulher, o que acaba exigindo cuidados específicos em cada caso para que dê certo. O leite materno reduz em 13% a mortalidade até os cinco anos, evita diarreia e infecções respiratórias, diminui o risco de alergias, diabetes, colesterol alto e hipertensão, leva a uma melhor nutrição e reduz a chance de obesidade. Além disso, o ato contribui para o desenvolvimento da cavidade bucal do pequeno e promove o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê.

Para o bebê, a amamentação é considerada a primeira vacina, tamanho o seu benefício para o organismo. Além de todos os benefícios já citados, contribui ainda para o desenvolvimento intelectual. A mulher que amamenta tem menor risco de desenvolver câncer de mama e ovário e hemorragias no pós-parto. A amamentação contribui ainda para a perda de peso mais rápido.

No entanto, a dificuldade em amamentar é comum. Podem surgir dúvidas e inseguranças nesse período, por isso o apoio profissional muitas vezes é determinante para o êxito do processo de aprendizado e adaptação. As dificuldades podem ser físicas, como mastite (infecção dolorosa) e fissuras na mama, mas também emocional ou social.

A cirurgiã dentista Aretuza Costa, 32 anos, está entre as mulheres que superaram o desafio da amamentação. A mãe viveu inúmeras dificuldades para suprir a necessidade da filha recém nascida, que hoje já tem quase dois anos. Nos primeiras momentos, além da fissura nos seios, Aretuza se viu aflita com o peso baixo da criança. “Ela tinha um ganho de peso muito baixo e isso me preocupava. Eu busquei ajuda no banco de leite da Santa Casa, busquei ajuda de consultores, mas em determinado momento eu precisei buscar reforço externo, porém mantendo todas as técnicas para que ela não abandonasse o seio totalmente”, detalha.

Segundo a neonatologista Aurimery Gomes Chermont, a maior dificuldade que as mães enfrentam para a realização de um aleitamento correto é a falta de informação. Durante o período da gestação, a mulher precisa ser acompanhada por diversos profissionais, que forneçam orientações sobre as transformações do corpo, possíveis incômodos e soluções. “É muito importante a pega adequada. O colo é o melhor lugar, o melhor presente para o recém-nascido, que estava em ambiente uterino, portanto, o contato pele a pele transmite tranquilidade ao bebe”, explica a especialista.

Mesmo com a pega adequada, é possível que ocorra o princípio de ingurgitamento mamário. Ocorre com mais frequência entre as mães de primeira viagem, normalmente três a cinco dias após o parto. Popularmente chamado de “leite empedrado”, trata-se de uma obstrução do fluxo do leite, especialmente quando a livre demanda não é possível ou a fome do bebê não é suficiente.

Nesse caso, massagens delicadas nas mamas, com movimentos circulares na área endurecida, ajudam a fluidificar o leite “empedrado”. Além disso, o uso de bolsa de gelo entre as mamadas na região afetada ajuda a reduzir a produção de leite e adequá-la para a quantidade requerida pelo bebê.

Além da pega correta, outros cuidados podem ajudar

  1. Em caso de mamilos planos ou invertidos, massagem ou sucção com bomba manual 30 segundos antes da mamada, ajudam na pega do bebê.
  2. Sutiã no tamanho adequado, com alças largas e firmes, ajudam na sustentação e a manter os ductos em posição anatômica. Os muito apertados podem provocar obstrução dos ductos de leite.
  3. Amamentação sem horário ou duração pré-determinada (livre demanda): a criança colocada no peito aos primeiros sinais de que quer mamar tende a sugar com menos força por estar com menos fome.
  4. Na medida do possível, expor os mamilos ao ar livre ou à luz solar para que sequem naturalmente. Produtos secantes como álcool ou sabão retiram a proteção natural do mamilo e, por isso, recomenda-se que sejam evitados.
  5. É melhor evitar, mas se for necessário o uso de concha ou absorventes para conter excesso de leite, é importante trocá-los com frequência para que a umidade não provoque a proliferação de fungos da candidíase.
  6. Se sentir que a mama está muito cheia, massageie e faça uma leve ordenha antes de oferecer ao bebê.
  7. Se precisar interromper a mamada, introduza o dedo indicador pelo cantinho da boca do bebê, de maneira que a sucção seja interrompida antes de a criança ser retirada do seio.
    Se a mama já está machucada
  8. Em caso de ingurgitamento, alternar posições para reduzir a pressão nos pontos dolorosos ou áreas machucadas. Direcionar o queixo do bebê para a área afetada facilita a retirada do leite do local.
  9. Se os mamilos estão machucados, com escoriações ou fissuras, enxaguar com água limpa após cada mamada, para evitar infecção.
  10. Se a lesão mamilar for muito grande ou a mãe não conseguir amamentar por causa da dor, pode ser necessário interromper temporariamente a amamentação na mama afetada; no entanto, a mama deve ser esvaziada por ordenha manual ou com bomba de extração de leite. A orientação médica é indispensável.

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio

Anúncio

INSTITUCIONAL

O Front Saúde

Bem-vindo à Revista Digital Front Saúde! Aqui você encontra as melhores notícias na área da saúde.

E se você soubesse de algo que pudesse salvar a vida de alguém que você ama?