Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a foliculite é uma infecção de pele causada por bactérias ou fungos, mas também pode ocorrer por meio de vírus e inflamação de pelos encravados. Essa infecção se parece com pequenas espinhas de pontas brancas. Na maior parte dos casos, a foliculite é superficial, porém, pode doer e coçar. Geralmente, se cura sozinha, mas casos graves devem ser avaliados por um dermatologista, pois podem gerar perda permanente dos pelos e cicatrizes.  

Sintomas  

A foliculite é classificada como superficial ou profunda. No caso superficial, os sintomas são: surgimento de pequenas espinhas vermelhas, com ou sem pus; a pele pode ficar avermelhada e inflamada; coceira e sensibilidade na região. Esse caso raramente causa complicação. 

Na inflamação de áreas mais profundas da pele, pode ocorrer a formação de furúnculos e as pessoas podem apresentar grandes áreas avermelhadas; lesões elevadas com pus amarelado no meio; as partes atingidas ficam muito sensíveis e doloridas; apresentando em alguns casos dor intensa. Nesse caso pode ocorrer a formação de cicatrizes e perda dos pelos no local.  

Qualquer pessoa está sujeita a essa infecção, mas algumas condições podem ser mais suscetíveis como diabetes, Aids, acne, dermatite, uso de medicamentos com corticoide, antibióticos e estar acima do peso.  

 Entre as causas mais comuns estão causas o ato de barbear, roupas apertadas, calor e suor ocasionados pelo uso de botas e luvas, dermatites e acne, lesões por arranhões ou feridas cirúrgicas, curativos de plástico ou fita adesiva em contato com o pelo.    

Tratamento 

O diagnóstico é feito examinando a área da pele lesionada. Em alguns casos, amostras da secreção são examinadas em laboratório. Casos que persistem ou tem episódio recorrente podem exigir tratamento e vai depender do tipo e da gravidade da infecção. A foliculite pode voltar embora o tratamento tenha sido feito.  

A foliculite causada por bactéria pode ser tratada com antibiótico tópico, de maneira oral ou com ambos. Também pode ser recomendado evitar raspar ou barbear a área, até a melhora da região.  

No caso da pseudofoliculite da barba é necessário trocar a lâmina pelo barbeador elétrico, usar água morna ao se barbear, fazer massagem nos pelos para que fiquem amolecidos, passar o barbeador sempre no sentido do crescimento dos pelos e usar hidratante.  

Na foliculite pitirospórica, o tratamento com antifúngicos tópicos ou orais são os mais eficazes. 

Para o caso de furúnculos e carbúnculos, o especialista pode drenar a infecção por meio uma pequena incisão. O tratamento pode ser feito com o uso de antibióticos para melhorar os sintomas.  

Já na foliculite eosinofílica,  é recomendado o tratamento com corticosteroides. Quando mais grave, são feitas medicações por via oral. Em pacientes portadores do HIV, além dos esteroides tópicos, o médico também pode receitar anti-histamínicos via oral.  

Prevenção 

  • Manter a pele limpa, seca e livre de escoriações ou irritações pode ajudar a prevenir a foliculite. 
  • Evitar lavagens antissépticas rotineiramente, pois deixam a pele seca e eliminam as bactérias protetoras. 
  • Manter a pele hidratada. 
  • Tomar cuidado ao fazer a barba, usar gel de barbear, espuma ou sabão para lubrificar as lâminas e evitar cortes. 
  • No caso da pseudofoliculite da barba, o mais indicado é usar barbeador elétrico. 

*Com informações da Sociedade Brasileira de Dermatologia* 

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio