Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

A prática de viajar com os pets tem se tornado comum. O cuidado com a saúde e bem-estar do animal é essencial para que o embarque seja de forma tranquila e segura. Os tutores devem ter atenção aos detalhes quanto ao transporte. Assim como os passageiros, os bichos de estimação precisam estar preparados.

Independente do tipo de transporte que a viagem será feita, rodoviário, fluvial ou aéreo, um veterinário deve fazer uma avaliação. De acordo com o médico veterinário Victor Hugo Texeira recomenda atenção no embarca. “O médico veterinário é o responsável por fazer a avaliação antes da viagem e fornecer o laudo de transporte, qualificando o animal pra fazer a viagem. É importante também que caixa de transporte seja adequada, dependendo do porte do animal e das regras que a companhia na qual você está viajando”, afirmou.

A preparação deve ser feita com orientação de um profissional. “Na sua viagem e sempre que se vocês forem viajar de avião sempre procurar ficar longe das turbinas ou perto da asa, porque geralmente é onde o barulho é mais forte e a gente sente um barulho maior, eles sentem dez vezes mais que a gente, então eles vão se incomodar bastante. Tentem ficar sempre na parte final do avião, que fica longe das turbinas, aí o barulho é bem menos intenso e ajuda a controlar também um pouco do estresse. É sempre bom conversar seu clínico, seu veterinário de confiança. Cada animal ele age de uma forma diferente”, recomendou.

Verificar como o animal chegou ao destino também é muito importante, segundo o veterinário. “É importante verificar se ele tá muito estressado, se ele tá muito quieto, se ele chegou bem. Geralmente as primeiras 24 horas são de adaptação. Chegar muito estressado, pode chegar eh com alguns efeitos diferentes, ele pode ficar mais quietinho, ou ficar mais enjoado, não querendo comer. Principalmente os felinos, pois eles ficam muito estressados, mais que os caninos. Se não apresentou uma melhora significativa no comportamento, procure uma clínica veterinária para fazer avaliação do seu animal”, declarou.

Animais hipertensos ou com alguma comorbidade não são recomendados a viajar. “Animais idosos, altamente estressados, eu digo em relação a viagem de avião, podem ficar muito mais estressado até mesmo se ele for em cima com você. A grande tendência a ele ter algum problema, a ter algum problema relacionado ao estresse de uma forma geral. Se você puder ir de carro, puder levar seu animal de estrada eh nesses casos é mais recomendado. Porém você precisa ter mesmo assim um laudo ou um parecer do veterinário que ele tá apto a fazer esse tipo de viagem”, falou Victor Hugo.

Vacinação animal

No Brasil o sistema de fiscalização sanitária preconiza a vacinação antirrábica em dia, segundo o médico. “Isso vale para transporte intermunicipal, interestadual, se possível programar trinta dias antes da viagem, nas condições do Brasil . O que muda é quando o animal precisa ir pra fora do Brasil, uma viagem internacional. E aí vai muito protocolo do país, onde vai receber aquele animal. Um exemplo, na Europa, é preciso apresentar vários tipos de vacinas, não só antirrábica como vacinas múltiplas, vacina contra outros tipos de doenças em geral”, concluiu Victor Hugo.

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio

Anúncio

INSTITUCIONAL

O Front Saúde

Bem-vindo à Revista Digital Front Saúde! Aqui você encontra as melhores notícias na área da saúde.

E se você soubesse de algo que pudesse salvar a vida de alguém que você ama?