Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

A indústria 4.0 traz recursos e ferramentas importantes o avanço dos setores da economia, deixando as atividades mais personalizadas e automatizadas, permitindo a tecnologia ser o braço direito dos tomadores de decisão. Nos tempos da digitalização, a intoperabilidade é considerada a palavra da vez, responsável pela conexão entre diversos sistemas e permitindo que conversem entre si com o intuito de disponibilizar informações importantes em uma mesma linguagem. Além disso, esse fator pode ajudar profissionais e organizações de saúde a salvar vidas.

A healthtech Laura usa a inteligência artificial na parte de gestão do cuidado dos pacientes de ponta a ponta. O robô da startup é habilitado para auxiliar a equipe médica nas tomadas de decisões, deixando com que informações importantes dos pacientes sejam analisadas, oferecendo uma visão 360º ao corpo clínico. Ou seja, o atendimento se torna mais rápido, eficiente e centrado no paciente. É o que afirma Cristian Rocha, CEO e cofundador da Laura.

“Quando transportamos o conceito da interoperabilidade para a realidade de hospitais, por exemplo, os benefícios têm um impacto muito grande na qualidade dos atendimentos, diagnósticos e prognósticos dos pacientes. Isso porque a área é capaz de integrar informações importantes de diversos setores e especialidades da instituição, tornando a comunicação entre os profissionais da saúde mais fluida e ágil, colocando-os na mesma página e auxiliando em decisões mais rápidas e assertivas”, comentou Cristian.

A interoperabilidade faz com que seja possível a troca de dados entre sistemas diferentes, transmitindo informações importantes para os profissionais da saúde, o que acaba refletindo positivamente na gestão do cuidado.

“Hoje, um médico e sua equipe assistencial passam cerca de 50% de seu tempo analisando informações de prontuários eletrônicos e apenas 25% com o paciente. De acordo com o estudo Allocation of Physician Time in Ambulatory Practice, publicado no jornal acadêmico Annals of Internal Medicine. Logo, utilizar ferramentas tecnológicas que permitam uma comunicação mais integrada e um trabalho mais estratégico dos profissionais da área é de suma importância para ampliar o acesso à saúde e tornar o cuidado com os pacientes mais eficiente”, ressalta o CEO.

Os benefícios da interoperabilidade estão além da equipe interna de uma determinada unidade de saúde. Os avanços tecnológicos e também o alto volume de dados produzidos diariamente permitem uma troca de conhecimentos ainda maior, levando impactos positivos para saúde dos pacientes. Com a conexão de sistemas alinhada entre diversos hospitais e clínicas, ocasionando uma redução de custos assim como melhoria na eficiência dos tratamentos.

“Imagine que um paciente vai para um determinado hospital, reporta seus sintomas, realiza exames e recebe seu prognóstico, tendo um tratamento efetivo — ou não -, e todas essas informações são armazenadas e conectadas em um determinado sistema. No dia seguinte, um outro indivíduo aparece em outra instituição com os mesmos relatos. Ao invés da equipe deste segundo hospital ‘quebrar’ a cabeça em busca de um diagnóstico e tratamento, com a conexão entre as duas instituições, os médicos e enfermeiros responsáveis pelo tratamento do segundo paciente já teriam em mãos um histórico parecido e uma base para atuar naquela situação. Isso permite uma grande economia de tempo, insumos e até mesmo gastos com o paciente”, finaliza Rocha.

Para a interoperabilidade acontecer, é necessário que os dados contidos estejam estruturados. Dessa forma, a linguagem fica adaptada para que os sistemas se conectem e se integrem.

Fonte: Saúde Business

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio