Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

Introduzir produtos integrais na nossa alimentação é sinônimo de um bom funcionamento do nosso, intestino, por exemplo. Mas você saberia escolher alimentos que são realmente integrais? A leitura da rotulagem de produtos é a solução para que busca por esses itens na hora das compras. Especialistas garantem que a inserção de mais teor de fibras, minerais e vitaminas trazem bons níveis de nutrientes ao organismo e um bom controle do colesterol.

A professora do curso de Nutrição da Estácio Juliane Costa Leite explica que com o aumento da ingestão de alimentos há a maior probabilidade de atingir os níveis recomendados para cada nutriente em uma dieta equilibrada. “Um benefício muito importante do consumo regular de alimentos integrais é a melhora do funcionamento do intestino.  Isso porque o aumento do consumo de fibras melhora o funcionamento intestinal embora essas fibras sejam eliminadas nas fezes. Antes disso elas são fermentadas por bactérias que dão as substâncias que estimulam o funcionamento do órgão”, afirmou.  

O consumo regular de alimentos integrais comprovadamente reduz o risco do surgimento de alguns tipos de cânceres como, por exemplo, o câncer de colo, que é uma das porções finais do nosso intestino, segundo a nutricionista. “Um intestino saudável também é capaz de barrar a passagem de substâncias tóxicas que precisariam no nosso organismo serem metabolizadas pelo fígado ou excretada pelos rins, evitando assim a sobrecarga desses órgãos. O consumo regular de alimentos integrais também gera a redução do colesterol, o controle dos níveis de açúcar no sangue, porque o consumo de fibras aumentado desacelera a absorção de açúcar organismo. O que a gente pode observar também é o prolongamento da saciedade. A redução também do risco de doenças cardiovasculares e até da obesidade”, completou.

Comece a alimentação integral agora!

A professora dá dicas para quem pretende introduzir itens integrais na alimentação. “Existe um ponto que é muito importante aumentar o consumo de fibras sem que isso seja seguido do aumento da ingestão de água pode provocar efeito rebote. A gente pode ao contrário fazer com que esse intestino, grosso modo falando, fique mais preso ainda. Então é importante aliar o consumo aumentado de como, por exemplo, através da ingestão de área irregular de alimentos integrais consumo mínimo irregular de água”, recomendou.

Outra orientação é a identificação correta do que é um alimento integral, com a leitura atenta dos rótulos com a descrição de ingredientes. “É muito importante que os consumidores leiam e saibam ler os rótulos. A lista de ingredientes de determinado alimento é muito importante porque ali a descrição ela deve estar em ordem decrescente. Para que eu esteja segura de que estou levando para casa um alimento integral, farinha de trigo integral. A gente tem que se certificar do teor de fibras. A gente pode olhar lá na rotulagem nutricional, naquele quadro que mostra quantos gramas de carboidrato, quantos gramas de proteína estão lembrados dele e mostram também o percentual de atendimento da nossa necessidade diária consumindo produto”, concluiu.

Novas regras para alimentos integrais

A partir de abril de 2022, para serem identificados como alimentos integrais, os produtos alimentícios à base de cereais precisarão obedecer a dois critérios: a quantidade de ingredientes integrais tem de ser superior à de ingredientes refinados e, pelo menos 30% de todos os ingredientes devem ser integrais. A determinação faz parte de resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Entre os alimentos considerados na resolução da Anvisa estão farinhas, massas, pães, biscoitos e cereais matinais.

Agora pelo menos 30% dos ingredientes precisarão ser integrais, ou seja, conter todas as partes do grão inteiro. Além disso, haverá a indicação do percentual de integrais. Mesmo os alimentos não considerados integrais poderão colocar no rótulo a porcentagem de integrais. Eles não podem, no entanto, dar a entender que se tratam de produtos integrais, nem mesmo com desenhos que possam enganar o consumidor de alguma forma.

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio