Redes Sociais
Publicidade

Publicado

no

38% das mulheres relataram depressão após o nascimento dos filhos. O número é quase o dobro do padrão anterior à pandemia. Esses são os dados de uma pesquisa realizada pelo Hospital das Clínicas sobre o aumento de casos de depressão pós-parto durante a pandemia da covid-19.

O estudo acompanhou 182 pacientes, incluindo pessoas que tiveram covid-19 e que não tiveram, no Hospital das Clínicas e no Hospital Universitário.

O estudo mostrou que as pacientes que procuraram mais notícias apresentaram casos mais graves de depressão pós-parto, que está comumente vinculada à ansiedade. A média dessas pacientes foi de 4,5 horas de busca de informação.

O grupo de pacientes que consumiam notícias por fontes mais confiáveis, como jornais, revistas ou televisão, não apresentou aumento nos casos de depressão pós-parto. Já as que consumiram informações por outros meios, especialmente por WhatsApp, apresentaram aumentos significativos.

O estudo concluiu que a desinformação é um dos principais fatores por trás da depressão pós-parto. A insegurança econômica e a insegurança causada pela pandemia também estão entre as principais causas dessa doença.

O tratamento de depressão pós-parto costuma durar de seis meses a um ano, mas o tempo varia para cada caso. Em casos leves, não é necessário o uso de medicação, que é recomendada em casos moderados e graves.

Fonte: Jornal da USP

Publicidade
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Anúncio

Anúncio

Anúncio

INSTITUCIONAL

O Front Saúde

Bem-vindo à Revista Digital Front Saúde! Aqui você encontra as melhores notícias na área da saúde.

E se você soubesse de algo que pudesse salvar a vida de alguém que você ama?